Home / Pix / Sim, vale a pena aderir ao Pix!

Sim, vale a pena aderir ao Pix!

Publicado em Pix por Indiana Braga

Tire suas dúvidas sobre o Pix

Rápido, seguro e gratuito: o Pix só tem vantagens

Lançado oficialmente no dia 5 de outubro de 2020, o Pix passou a funcionar de maneira efetiva no dia 16 de novembro desse mesmo ano. E, por mais que você ainda não o utilize, certamente já ouviu falar desse novo sistema de pagamento instantâneo do Banco Central, que se caracteriza por permitir pagar ou transferir dinheiro, para contas de qualquer instituição financeira, em qualquer hora do dia, incluindo finais de semana e feriados, e sem pagar taxas (desde que seja pessoa física). Ah, e o recebimento acontece em até 10 segundos.

Mas, por mais que tenha a proposta de ser um método prático, seguro e gratuito, ainda tem muita gente resistindo a esse novo sistema. Então, se você faz parte desse grupo, vem cá que vamos dar um fim a essa sua desconfiança, mostrando como vale a pena aderir ao Pix. Afinal, muitas das questões que te impedem de utilizá-lo também já foram levantadas por nós, como essas duas que vamos destacar e explorar agora:

1. É fácil demais pra ser seguro

Há quem acredite que quanto mais burocrático for o processo, maior deve ser a sua credibilidade. Logo, para essas pessoas, compilar todas as informações da conta em um único código (chave) pode facilitar as tentativas de fraude. E, definitivamente, não, né galera?! Facilitar a vida do usuário não significa torná-lo mais vulnerável.

Sua chave Pix será definida por você e conterá todas as informações pessoais e da conta cadastrada. A diferença é que na hora que alguém for te transferir alguma quantia, essa pessoa só precisará da sua chave, ao invés de todos os seus dados. Ou seja, a chave Pix funciona como um atalho que resume todos os dados da sua conta.

São muitas as vantagens do Pix

Infográfico por Luis Ventura

Além do mais, vale destacar que as transações feitas por Pix são criptografadas de ponta a ponta, para que os dados dos clientes não fiquem disponíveis ao longo do processo. Isso acontece porque a transação é feita com uma série de dados codificados, que te protege de uma eventual tentativa de interceptação.

Por outro lado, vale lembrar que, uma vez feita a transferência, não tem como cancelá-la. Então, depois de digitar a chave, verifique todas as informações e só valide a transação se os dados forem realmente da pessoa, física ou jurídica, para quem você está transferindo.

Outras dicas importantes: não clique em links enviados por e-mail, sms ou whatsapp que solicitem o cadastramento das chaves, faça isso apenas dentro do aplicativo da instituição financeira que você já utiliza ou pelo Internet Banking. E, ao fazer operações usando Wi-Fi, evite as redes abertas, onde seus dados, de fato, estarão vulneráveis.

Conseguimos esclarecer essa questão? Caso ainda tenha alguma dúvida em relação à segurança do Pix, dá uma olhada nesse conteúdo do banQi, a conta digital gratuita da Casas Bahia, que, assim como o Pix, é rápida, segura e de graça.

2. Por mais simples que seja o sistema, tem dados pessoais que prefiro não compartilhar

São quatro os tipos de chave que podem ser cadastradas para facilitar a transferência ou pagamento via Pix. E é aqui que muitas pessoas desistem de utilizar o sistema. Há quem não queira dividir informações como e-mail, número do telefone celular ou CPF com qualquer pessoa (lembrando que pessoas jurídicas usam o CNPJ no lugar do CPF). Mas, essas são apenas 3 das 4 possibilidades. E, com certeza, a última opção vai te encorajar a testar esse novo e prático jeito de transferir dinheiro.

Estamos falando da chave aleatória, um código único, com letras e símbolos, gerado aleatoriamente pelo Banco Central e atrelado a uma única conta. Diz se não é uma saída interessante para quem não deseja fornecer dados pessoais?

São quatro os tipos de chave Pix

Infográfico por Luis Ventura

É preciso destacar que cada pessoa física tem direito a cinco chaves diferentes. E, se você tem duas ou mais contas bancárias, não pode usar a mesma chave em todos elas. Logo, é possível definir o número do celular para aquela conta que você vai compartilhar somente com amigos e familiares, e a chave aleatória para a conta que será compartilhada com as demais pessoas, por exemplo. Mas, também é possível definir apenas chaves aleatórias, se assim preferir.

O mais importante aqui é saber que o cadastramento da chave não é obrigatório. Você pode transferir gratuitamente pelo Pix digitando todos os dados da conta do receptor. Mas, caso queira aproveitar a simplificação desse processo, saiba que cada conta bancária precisa estar vinculada a uma chave Pix específica, limitando-se a 5 para pessoa física e 20 para pessoa jurídica.

Viu como vale a pena aderir ao Pix? Agora, aprenda com o banQi como cadastrar a sua chave preferida:

Depois de todo esse conteúdo, produzido com muito carinho, esperamos que grande parte das suas dúvidas tenha sido sanada e que você possa, enfim, aproveitar esse novo sistema de pagamento que chegou para facilitar e incluir, assim como a nossa conta digital banQi.

Mas, caso prefira pesquisar mais sobre o assunto, segue o link para a página do Banco Central.

Comentários

Populares